Pedro Américo de Figueiredo e Melo (Areia (PB), 29 de abril de 1843 - Florença, 7 de outubro de 1905) foi um romancista, poeta, cientista, teórico da arte, ensaísta, filósofo, político e professor brasileiro, mas é mais lembrado como um dos mais importantes pintores acadêmicos do Brasil, produzindo obras de impacto nacional. Desde cedo demonstrou inclinação para as artes, sendo considerado uma criança prodígio. Ainda muito jovem participou como desenhista numa expedição de naturalistas pelo nordeste e recebeu apoio do governo para estudar na Academia Imperial de Belas Artes. Concluiu a sua formação artística em Paris, estudando com mestres famosos, mas também dedicou-se à ciência e à filosofia. Logo após seu retorno ao Brasil, começou a lecionar na Academia e iniciou uma carreira de sucesso, sendo reconhecido com grandes pinturas cívicas e heroicas como parte do programa de modernização do país promovido pelo Imperador Dom Pedro II, do qual a Academia Imperial era o órgão regulador e braço executivo na esfera artística. Seu estilo pictórico, em consonância com as grandes tendências de sua época, fundia elementos neoclássicos, românticos e realistas, e sua produção é uma das primeiras grandes expressões do Academismo no Brasil em seu apogeu, criando obras que permanecem vivas até hoje no imaginário coletivo da nação - como Batalha de Avai, Fala do Trono, Independência ou Morte! e Tiradentes esquartejado - com suas obras reproduzidas em livros didáticos de todo o país.

Pedro Américo de Figueiredo e Melo (Areia (PB), 29 aprile 1843 – Firenze, 7 ottobre 1905) è stato un romanziere, poeta, scienziato, teorico dell'arte, saggista, filosofo, politico e insegnante brasiliano, ma è ricordato soprattutto come uno dei più importanti pittori accademici in Brasile, producendo opere di impatto nazionale. Fin da piccolo mostrò un'inclinazione per le arti, essendo considerato un bambino prodigio. Giovanissimo partecipò come disegnatore a una spedizione di naturalisti nel nord-est e ricevette il sostegno del governo per studiare all'Accademia Imperiale di Belle Arti. Compì il suo perfezionamento artistico a Parigi, studiando con famosi maestri, ma si dedicò anche alla scienza e alla filosofia. Subito dopo il suo ritorno in Brasile, iniziò a insegnare all'Accademia e iniziò una carriera di successo, ottenendo riconoscimenti con grandi dipinti di carattere civico ed eroico, come parte del programma di modernizzazione del paese promosso dall'imperatore Dom Pedro II, da cui l'Accademia Imperiale era il braccio regolatore ed esecutivo della sfera artistica. Il suo stile pittorico, in consonanza con le grandi tendenze del suo tempo, fondeva elementi neoclassici, romantici e realistici, e la sua produzione è una delle prime grandi espressioni dell'Accademismo in Brasile nel suo periodo di massimo splendore, creando opere che rimangono vive fino ad oggi nell'immaginario collettivo della nazione - come Batalha de Avai, Fala do Trono, Independência o Morte! e Tiradentes squartato - con le sue opere riprodotte nei libri scolastici di tutto il paese.

Ultimi commenti

27.10 | 04:57

Muito bem lembrado! São muitas as implicações e as análises possíveis de interpretação. Aqui no blog, onde se trata de arte e não de psicanalise ou ética, eu me limito à descrição artistica do mito.

27.10 | 03:33

Eddy, na Grécia Antiga, uma humilhação devia ser retribuída, aquele que não o fazia passava por dupla vergonha, a desonra sofrida e a covardia por não cobrar vingança; em Medéia a questão é ética.

06.10 | 06:35

Sono ansioso di conoscere le due performance.

28.09 | 11:33

👏👏👏

Condividi questa pagina